terça-feira, 4 de setembro de 2018

Perdemos tanto tempo




Nós perdemos tanto tempo das nossas vidas a criticar o mundo, a criticar as pessoas, as ações, os sitios, as formas de viver, que nos esquecemos completamente de viver as nossas vidas, de apreciar o mundo, as diferenças, de compreender, de ouvir, de amar o que nos rodeia, de respirar. 
Vivemos tão afogados em percursos definidos que nos esquecemos completamente de explorar diferentes estradas. Perdemos tanto tempo, que esquecemos de perseguir as nossas almas.

quinta-feira, 19 de julho de 2018

Se te pudesse dizer


Se te pudesse dizer quantos sentimentos vão dentro de mim. Uma infinidade de sensações num espaço tão pequeno. Tantas versões de um ser, dentro de um só corpo. Centenas de combinações de emoções, milhares de possiveis padrões de frases, possiveis perguntas e respostas e até silencios. Sabias que até o silencio pode ter diferentes padrões? Existem silencios que gritam mais alto que gritos, que conseguem falar mesmo não tendo voz. 

Se te pudesse dizer quantos sentimentos vão dentro de mim. Uma complexidade mais complexa que um labirinto, uma simplicidade tão simples como um jardim. E nada do que te diga parece ser suficiente para te explicar as milhentas versões que cabem dentro deste corpo, o milhão de tonalidades que uma alma consegue ter. Sabias que as almas têm mais cores que o arco iris?

Se te pudesse dizer quantos sentimentos vão dentro de mim. Quantos sorrisos e lágrimas encaixam num rosto sério. Quanto medo se acomoda numa feição serena. Quanta coragem se infiltra naquele que sempre foi chamado de fraco. Uma infinidade de sensações em espaços tão pequenos. Universos inteiros em almas. Tantas versões de um ser, dentro de um corpo só.

domingo, 24 de junho de 2018

Existem dois, mas somos um.


Existes tu, por entre a tua simplicidade, por entre a tua gargalhada.
Existo eu, por entre o que dói, por entre as minhas lágrimas.
Existes tu, onde o brilho que brilha é o brilho que me faz brilhar.
Existo eu, onde o brilho que já incandesceu, é aquele que queres sempre ver voltar.
Existe tu, de clareza cravada em feições mas mais complexo do que pareces.
Existo eu, de paixão cravada na alma, mas mais complexa do que sei ser.
Existimos singularmente, mas dois corações que florescem juntos formam a mais bela flor que o mundo consegue ver.
Existes tu, com esse teu jeito de criança que floresce no coração.
Existo eu que floresço por me teres sempre dado a mão.
Existem dois. Mas somos um.