quinta-feira, 11 de abril de 2013

Ele para ela & Ela para ele VIII (ela)


Cá estou eu a ir para casa, já se faz tarde, passei um pouco pela praia para desanuviar as ideias. Como de costume e para não variar fi-lo enquanto apanhava conchas, corria atrás das gaivotas, ou enquanto admirava o sol a aproximar-se cada vez mais da linha do horizonte sentada na areia molhada. Tentei esvaziar a memória do que não devia, eliminar de forma subtil um sentimento concreto enganando-o, fosse qual fosse esse sentimento. Tentei. Não consegui.
Caminho agora em direcção a casa, e já não tenho com que me distrair senão olhando para a rua, mas já a sei de cor... As abstracções possíveis vão-se desvanecendo aos poucos e tu assim também da mesma forma vais voltando à minha cabeça, e voltando e voltando. E oh, dou por mim a pensar em ti de novo. E estou cansada de tanto pensar. Já não sei se é de mim. Talvez o problema seja meu e eu não saiba. Talvez eu esteja a confundir tudo. Ah, mas não estou e podia ser tudo tão simples. Se estivesses ao meu lado percebes? Queria que me ouvisses, mas não ouves. Não estás perto sequer. Chove tanto, já não me lembrava de um tempo assim há muito muito tempo. O certo é que me deprime ainda mais do que já estou e faz-me focar ainda mais em ti. Não importa.
Parei agora numa loja de bolos, sinto um frio estranho a percorrer-me o corpo, um arrepio de silencio e a agua da chuva escorre-me pela face. A única coisa que me conforta neste momento é apenas a doçura dos bolos que vejo atráves do vidro. Confortava-me mais um chocolate quente, mas a loja está fechada, hoje está tudo fechado. Sinto-me estranha neste lugar, não sei se é por estar frio ou por ele. Não sei. Sinto-me como se alguém me estivesse a observar de algum lugar, é uma sensação estranha... Devo estar louca. Olhei para todo o lado e deparei-me com alguém na paragem. Está a olhar para mim... Bem, também talvez porque sou a única pessoa que anda por aqui. Afinal, quem sai a rua num dia destes? Só mesmo quem não é normal.. Continuei a observa-lo. Está bastante arranjado, não lhe consigo ver bem a cara mas  parece bonito. De súbito surgiu-me à lembrança algo conhecido '''' vá algum dia gostar de mim?'', tolice minha, nem me conhece.'' Os meus braços descaíram, por momentos sustive a respiração incrédula, não não podia ser. O meu coração acelerou a um ritmo atrapalhado, e quando os olhares se cruzaram acabei por perceber que era verdade... Oh, era ele!

2 comentários:

Cátia Costa disse...

Oh, obrigada, querida! Os nossos blogs são homónimos... São lindos!

Adriana Lima disse...

gosto tanto !!! <3