sábado, 29 de setembro de 2012

Ignorância.


E a vontade de virar o mundo do avesso não é pouca. A vontade de mudar tudo que está errado, o que é destruído diariamente e a vontade de soldar tudo que um dia fora quebrado. Quebrado dentro de cada um de nós. Dentro de ti e talvez dentro de mim, dentro de muitos.
E alguém se perdeu sem reparar, deixou a essência escapar enquanto apreciava a chuva a bater na janela ao mesmo tempo que as lágrimas na sua face caiam suavemente tal como na vidraça. Ambas igualmente gélidas, igualmente sem sentido, sem porquê.
Um dia qualquer, uma hora qualquer, um sentimento qualquer que os inundou sem qualquer aviso prévio. Uma amargura profunda, insignificante para quem não sabe, ignorante para quem não sente, estúpida para quem não vê. Sim, ignorância é predominante por estes lados, o ser humano domina-a na perfeição, julgando tudo sem saber. Juízos de valor são tão ou mais frequentes do que o ato de tomar o pequeno almoço, vestir a camisola, fazer e desfazer a cama, adormecer e acordar. Trivial. Já quase tudo é dado como adquirido; respirar, falar, ver, ouvir, ter amigos, uma família, e até amar e ser amado.
Inevitavelmente a maioria acaba por se esquecer que também pode perder e esquece-se do valor das coisas. Não, não é só aos outros que tudo acontece. A tristeza pode tocar a todos, e ninguém está fora do pacote. Ninguém está livre de nada, porque ninguém controla nada. Tu não controlas , eu não controlo. E pensamos nós que mandamos em tudo não é? E que acontece no momento em que estás a perder o controlo? A sensação de que o céu cai sobre ti gera-se e a vontade de o colar lá em cima de novo dá-te força, mas cais a meio da subida. Não remedeias nada, não mudas nada. E agora onde está o controlo? E a sociedade vai rebaixar-te, dizer até que não prestas, espezinhar-te e gracejar da tua maior desgraça. Poucos vão entender. Então agarra-te aos poucos. Agarra a ti próprio, porque mais ninguém o fará por ti. Quase todo o mundo vive na ignorância sem nada remediar. O que quero dizer com isto é: Por favor, não sejas como todo o mundo, tenta, remedeia, dá valor. E para todos os ignorantes já sabes o que fazer. Sorrir!

9 comentários:

Sara Louro disse...

sem duvida :)
oh muito obrigada, tambem adoro o que tu escreves, leio sempre :)

Happy Hippie disse...

Gostámos do post*

Happy Hippie disse...

Não tens de agradecer ! Também nós :)

Sara Louro disse...

juro-te princesa, tens uma maneira de escrever mesmo como eu gosto!
oh, obrigada*

lu de lúcia disse...

e eu adoro aquelas coisas assim escuras e afins

SelmaAndrade* disse...

Muito bom, sem qualquer duvida :)

Sara Louro disse...

claro, é sempre bom saber isso :)
adoro mesmo os teus textos! de nada :p

lu de lúcia disse...

sim. há blogues que cativam mesmo!

Sara Louro disse...

nao ficas nada atras *
obrigada :)