sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Ser normal cansa



Pateta a rapariga, ela é desastrada mas um doce de menina. Ela é assim como os antónimos, contraditória, diferente, talvez uma mistura dos dois lados a faça assim tão trocada das ideias. É, é isso que a torna confusa, que a deixa atarantada com coisas simples que ela torna difíceis de perceber num abrir e fechar de olhos. É uma cabeça no ar, ora esquece-se disto, ora esquece-se daquilo e... ''ah deixei tal coisa em casa e a chave ficou lá dentro'', habitual! Típico da sua distracção matinal.  E acorda gadelhuda pela manha, ora mal disposta, ora zombie, ora sorridente. Não, não é bipolaridade, chama-se originalidade a todas estas mudanças, originalidade que não controla. E ela vai ao espelho mal acorda, ou melhor passado os seus primeiros 10 minutos de descoberta se se encontra ainda a dormir ao não. E ela olha e ri-se, goza com a sua figura e ainda faz caretas para se divertir um pouco. É mesmo assim, o sangue que lhe corre nas veias irradia brincadeira mesmo quando os temas são sérios. E ela ri-se do que não tem piada, ri-se de ti, ri-se dela própria. E ela adora sorrir assim como adora o teu sorriso, os teus abraços tipo urso, daqueles apertados sabes? E ela adora olhar para ti sem dizer nada, e ela adora chatear-te. É ela é mesmo assim, meia anormal. E isso porque ser normal cansa.

3 comentários:

AngieM disse...

Maravilhoso texto e maravilhoso blog :)
Sigo :)

Bom fim de semana, beijinho*

mai disse...

Espero que sim :)

Sara Louro disse...

acredito! aquerla foto tm mesmo algo de especial :)