domingo, 10 de dezembro de 2017

Qual é sensação de ter o universo na alma?


Que melodia é essa que toca a tua pele? Qual a nota que te move o ser? Aquela que te faz vibrar, aquela que te faz acreditar.
Que fenómeno é esse que te faz latejar? Paras no tempo. Viajas para outro lugar. O espaço é o mesmo. Na profundidade dos pensamentos acabas por te perder. Apenas um ponto focado e um universo inteiro na alma.
Qual é sensação de ter o universo inteiro na alma? Todas as estrelas a brilhar, todos os amores dentro do coração, todos os sabores num só paladar? O oceano a preencher-te os pulmões. E também todas as dores dentro de ti, todas as confissões dentro de ti, todas as batalhas dentro de ti. 
Quão diferente de ontem estás? Quão diferente amanhã serás? Todos os dias alguém distinto, uma tonalidade inconstante em busca do equilíbrio imperfeito (Perfeito é utopia). Todos os dias uma pele singular, um vibrar transformado, uma melodia inédita. 
Que melodia é essa que toca a tua pele? Qual a nota que te move o ser? Aquela que te faz vibrar, aquela que te faz acreditar. Oh, qual é sensação de ter o universo na alma?

2 comentários:

Eros disse...

Este texto encaixava maravilhosamente num filme de Malick. E este é um dos maiores elogios que te poderia fazer.

Ana Ferreira disse...

Hei-de ver um dos filmes dele :) obrigada!