sábado, 24 de fevereiro de 2018

Contos de uma raposa #1


Os percursos são longos e os caminhos atribulados. Não existem estradas curtas que sejam dignas de recompensa. Estradas curtas não são estradas. 
Os percursos são longos e os caminhos atribulados. E a inocência vai transportar-te para o núcleo dos predadores.Vais sentir-te irremediavelmente perdida, observada, derrotada.
Com o tempo vais polir em ti comportamentos de raposa. Vais aprender a viver no meio deles. Vais atravessa-los sem medos. Olha-los nos olhos, fuzila-los com o olhar. Vais aprender que o olhar é a arma mais poderosa que tens.
Com o tempo vais polir em ti comportamentos de raposa. Vais seguir o teu percurso, sem nós na garganta ou arrependimentos. Vais seguir o teu rumo de sorriso sereno e alma limpa. Astuciosa e cuidadosa. De caminhar confiante e perspicaz. Visualmente vulnerável mas de alma magicamente feroz.  
Ah então deixa-os provocar. Deixa-os tentar te impedir. Deixa-os tentar te destruir. Deixa. Tentar não é conseguir. No final do dia saberás que não existe nada que abale um coração indomavelmente livre como o teu.


Photo by: Katerina Plotniknova 

2 comentários:

Eros disse...

A minha confiança em ti é total, pois és uma Menina-Mulher invencível.
É essa certeza que destilas em palavras que deveria inspirar qualquer pessoa que tenha uma manada de parvalhões que tenta atrapalhar o seu trilho.

Um beijo e um abraço, enormes em ti.

Cláudia S. Reis disse...

Que o espiríto da raposa surja, quando mais precisarmos!