sábado, 10 de novembro de 2012

Será cobardia?


 
Costumo dizer que ''quem se gaba do que faz, não merece reconhecimento''. Ao longo do tempo, fui cada vez me dando mais conta de que é uma verdade. Afinal, quando fazemos algo com gosto a intenção não é de todo nos gabarmos futuramente, mas sermos reconhecidos por quem gostamos, o que, às vezes faz com que até um sorriso baste para nos sentirmos bem. Fazer algo certo deve ser motivo de orgulho, mas antes disso tem de ser produto da consciência, seja por amor, amizade, ou pelo que for, e signifique isso o que significar. Penso que quem se gaba acaba por passar a parte da ''consciência sentida'' á frente, e põe-na de parte para passar a usar somente o orgulho como defesa para cobrir o errado : ''mas eu sou isto, eu sou aquilo, eu também fiz isto e sempre cuidei daquilo'' e bla bla bla.... E quem cobre o errado com boas intenções será que sempre foi suficientemente consciente delas? Será que as sentiu como as devia sentir? Ou agiu com sentimento algum?  Significa apenas que elas nunca foram motivo de gosto, mas de exaltação, ataque. Ridículo.
''Dar sem esperar algo em troca'' transforma-se numa guerra de interesses, em que a famosa bandeira branca de paz encontra-se bem longe do alcance e das ideias de qualquer um. Para outros, passa a ser ''dar lições falsas de moral quando se errou e quando no fundo o que recebeu foi apenas uma chamada de atenção''. A probabilidade de o mundo não entender que é diferente insinuar que nos esforçamos e admitir que erramos, de quando erramos e dizemos que sempre fomos os melhores para cobrir o erro, é elevada. Ah, não será cobardia o nome disso? É sim, simples cobardia.

7 comentários:

Vanessa Silva disse...

está LINDO o texto. Obrigado *_*

beatrizpereira disse...

muito obrigada sweet <3 se precisares de alguma coisa, também podes contar comigo!

Vanessa Silva disse...

Obrigado :*

beatrizpereira disse...

mt obrigada sweet !

disse...

está muito bonito, gostei muito:)

catarina disse...

está lindo o teu texto bb. sigo!

C. disse...

É exactamente isso. Sinto que por mais que escreva nunca consigo expressar o que sinto